Wikimedia Portugal

Promovendo o Conhecimento Livre em Portugal

Ir a Berlim é voltar mais rico!

De 29 a 31 de Março de 2019 realizou-se a Wikimedia Summit, em Berlim, o maior encontro oficial dos afiliados e membros da Fundação Wikimedia. O grande objetivo deste ano foi discutir o movimento estratégico da Wikimedia para 2030. Qual a missão e onde queremos chegar neste ano com as diferentes plataformas Wikimedia?


Imagem de Jason Krüger para a Wikimedia Deutschland e.V. com licenç CC BY-SA 4.0disponível na Wikimedia Commons

A grande novidade deste ano foi o facto de os afiliados presentes incluírem não só os representantes de 38 capítulos, onde se inclui a Wikimedia Portugal, mas também representantes dos 108 grupos de utilizadores, como o AmiCal e o Wikimujeres, por exemplo. Ficou, assim, garantida uma diversidade enorme e uma maior representatividade dos diversos elementos que compõem este mundo.

Durante três dias, vários temas foram discutidos através de diferentes formas. Um dos mais falados e participados foi a discussão sobre a eleição dos dois lugares no Board of Trustees eleitos pelos afiliados. Com as recentes alterações a este processo de eleição, vários afiliados manifestaram a sua opinião e sugeriram alterações.

Outra tarefa que animou os participantes foram as numerosas atividades de desenvolvimento de ideias para os nove Working Groups, responsáveis por elaborarem o estado de arte e recomendações para cada área específica da Estratégia Wikimedia 2030. Ali fomos convidados a conhecer pessoas de todo o mundo e discutir com eles as nossas ideias, experiências e recomendações. Foi bom saber que todos os afiliados, pequenos ou grandes, anglosaxónicos ou de idiomas minoritários, partilhamos dos mesmos problemas e temos conceções semelhantes sobre o futuro do movimento. As atividades foram muito bem organizadas, com a criação de pequenos grupos aleatórios de pessoas que, depois, eram convidados a mudar de grupo e continuar a conversa.

Como enviada da Wikimedia Portugal na Wikimedia Summit 2019, em Berlim, a minha missão era ficar a conhecer o mundo global wikimedista… o que não é uma missão pequena! Participar num encontro com mais de 100 pessoas de todo o mundo, dedicadas e entusiastas do conhecimento livre, é impressionante. Conhecer tanta gente que partilha o mesmo entusiasmo e que, do outro lado do mundo, lida com os mesmos desafios e problemas que nós, é algo emocionante e que nos marca para sempre. Obrigada, Berlim, e até breve!

Board Training

Após a Wikimedia Summit, de 1 a 2 de Abril, dediquei-me ao Board Training, uma formação realizada pela Wikimedia Alemanha (Tim Moritz Hector) e Wikimedia Países Baixos (Frans Grijzenhout) dedicada a capacitar elementos da direção das várias Wikimedias, de forma a melhorarem o funcionamento dos seus capítulos. Teve ainda a participação de Chris Keating (Wikimedia Reino Unido), Sandra Rientjes (Wikimedia Países Baixos) e Lukas Mezger (Wikimedia Alemanha).

Foi assim que, nos fantásticos escritórios da Wikimedia Alemanha em Berlim, tive a oportunidade de conhecer diferentes realidades dos capítulos, nomeadamente da Wikimedia Indonésia, África do Sul, Países Baixos, Ucrânia, Suécia, Espanha, Suíça, Polónia e Bélgica.


Imagem de Florenciac (Wikimedia Espanha) com licença CC BY-SA 3.0disponível na Wikimedia Commons

Durante dois dias, realizámos exercícios práticos e percebemos a importância da definição de um Plano Estratégico e de um Plano de Conflito de Interesses na gestão diária dos capítulos. Estes documentos definem os fundamentos e as orientações que melhor guiam a atuação de cada organização.

Aprendemos ainda, com a ajuda do psicólogo Ralph Piotrowski, qual o perfil “ideal” dos membros da direção, os skills pessoais mais relevantes e como se podem prevenir conflitos resultantes de choques de personalidade.

Cada participante apresentou casos reais da sua Wikimedia, com histórias fascinantes que se tornaram excelentes pontos de discussão e aprendizagem para os outros.

Não apoiamos a Directiva do direito de autor da União Europeia na sua forma actual. Veja porque também não a deve apoiar.


Foto de Eutouring com licença CC BY-SA 4.0, no Wikimedia Commons
Artigo original de Allison Davenport (Fundação Wikimedia), adaptado da versão em espanhol de Virginia Díez (Wikimedia España).

O texto da Directiva sobre o direito de autor para o mercado único digital afectará negativamente o acesso ao conhecimento e beneficiará indevidamente as grandes corporações e organizações que gerem os direitos de autor. Apesar das exclusões introduzidas no texto, a Wikimedia não pode apoiar uma reforma que, desde a sua base, está destinada a controlar radicalmente a informação partilhada online.

Após um longo processo legislativo, o texto final da Directiva do direito de autor da União Europeia foi consolidado em fins de Fevereiro quando as negociações trilaterais entre a Comissão, o Parlamento e o Conselho da União Europeia chegaram ao fim.
Agora que o texto final está disponível, aguardando apenas os resultados de uma votação sim-não no Parlamento para que seja posto em vigor, o Movimento Wikimedia não pode apoiar a reforma tal como está Estas são as razões.

Evolução do texto da Directiva

Durante os últimos anos, temo-nos manifestado contra as partes problemáticas da proposta de Directiva de Direito de Autora da União Europeia.  Inicialmente, tínhamos esperança.
A nossa comunidade era partidária da reforma, e pôs-se em contacto com a Comissão Europeia antes que a directiva fosse proposta, e também com Eurodeputados e representantes dos Estados Membro para transmitir o que esperavam encontrar na nova regulação. Entre outros pedidos, solicitava-se uma ampla excepção para a liberdade de panorama, de modo que os fotógrafos pudessem tirar livremente fotografias de obras de arte e de edifícios em locais públicos, e uma maior harmonização das regras que afectam o domínio público, de modo que as reproduções fieis de obras em dominio público não pudessem gerar novos direitos.

Apesar disto, a Comissão apresentou uma proposta unilateral e juntou elementos preocupantes à directiva. Quando a comunidade considerou que as suas sugestões haviam sido ignoradas a favor de determinações que beneficiavam grandes editoras, gestores de direitos e de notícias, a crítica sobre a Directiva se acentuou. As duas determinações mais prejudiciais, os artigos 11 e 13, mantiveram-se apesar das críticas, e agora formam parte do texto final que o Parlamento e o Conselho europeus finalizaram em Fevereiro de 2019. Apesar de se terem incluído alguns elementos interessantes no pacote da reforma, é impossível que a Wikimedia apoie um texto que inclua esses dois artigos. Como etapa final, a Directiva do direito de autor da União Europeia voltará ao Parlamento nesta Primavera para uma última votação.

Apesar das excepções, a reforma implica uma perda importante para o conhecimento livre

O artigo 11 (direccionado a agregadores de notícias, mas de alcance muito mais amplo) ira requerer que se gerem e utilizem licenças para praticamente todo o uso online de conteúdo noticioso, com algumas excepções. Isto significa que os sítios web que congreguem, organizem ou interpretem noticias não possam mostrar fragmentos junto aos artigos, dificultando em grande medida os utilizadores na busca de informação online.
Felizmente, o artigo 11 inclui pelo menos algumas excepções para particulares, usos sem fins lucrativos, “palavras individuais” ou “extractos muito curtos”.
Apesar disto, ao tornar mais difícil a obtenção de informação online, o artigo 11 afecta a capacidade da nossa comunidade de voluntários para melhorar a Wikipédia, em particular no que toca a fontes especificamente europeias.

O artigo 13, por seu lado, irá impor que as plataformas sejam as responsáveis quando qualquer um carregue conteúdo que infrinja o direito de autor, excepto quando sejam cumpridos uma série de requisitos rigorosos.
A disposição requer que os sítios web se esforcem “ao máximo” para obter autorização para todo o conteúdo que publiquem, assim como para eliminar aquele que infrinja direitos, e impedir a recolocação dos carregamentos inadequados.
Estas tarefas são árduas para qualquer plataforma que permita o carregamento de conteúdos por uma grande quantidade de utilizadores, de modo que apenas as mais sofisticadas e poderosas serão capazes de desenvolver por se mesmas a tecnologia necessaria para aplicar estas regras.
Se os sítios web cumprirem estritamente estes requisitos, ocorrerá uma diminuição dramática da diversidade de conteúdos acessíveis online, uma vez que pressupõe a instalação de um sistema para a protecção do direito de autor através de filtros de conteúdos que podem conduzir a um excesso de zelo na eliminação de conteúdos, tanto por medo de serem responsabilizados, como causados por falsos positivos.
Se o conteúdo fora da Wikipédia diminui, isto ocorre em igual medida com a profundidade, exactidão e qualidade do conteúdo da Wikipédia. Confiamos no mundo exterior (para lá dos projectos Wikimedia) para a construção da nossa enciclopédia colaborativa, de modo que tudo o que afecta o ecossistema da Internet na sua totalidade, também afecta a Wikipédia, apesar de qualquer excepção legal directa.

Apesar disto, à vista da luta que temos enfrentado, a comunidade do conhecimento livre pode estar orgulhosa do impacto que tem tido na reforma.
O texto actual inclui una ampla excepção para a extracção de dados e textos; uma salvaguarda para a digitalização das obras em domínio público; una disposição para obras “out-of-commerce” (fora de venda) que permitirá que este património cultural seja mais acessível online; e uma exclusão que tenta limitar o efeito prejudicial do texto da Directiva em projectos não comerciais.

Estas medidas são francamente positivas e estão na linha do que originalmente se pretendia que la reforma trouxesse: a adaptação de uma legislação centenária ao futuro (e presente) digital que estamos enfrentando.
Também nos recordam dolorosamente que o resto desta reforma não mostra esta visão de futuro.

Ideia-chave: o conhecimento livre vai mais além da Wikipédia

É legítimo que nos perguntem porque não nos satisfaz esta reforma, quando determinados projectos não comerciais estão excluídos, e até conseguimos destacar algumas melhorias para o domínio público.
Pois bem, as medidas propostas não fazem com que esta seja uma reforma boa ou equilibrada.
Apesar de algumas boas intenções, a inclusão absolutamente prejudicial dos artigos 11 e 13 significa que os princípios fundamentais do conhecimento partilhado caem por terra: na prática os utilizadores terão que comprovar que têm permissão para partilhar o conhecimento antes que a plataforma lhes permita o carregamento.
A Directiva do direito de autor da União Europeia prevê uma infraestrutura técnica e legal que trata o conteúdo gerado por utilizadores como suspeito enquanto não esteja legalmente aprovado. Não podemos apoiar isto — é melhor que não exista reforma nenhuma que termos uma que inclua estas disposições tóxicas.

Entre 26 e 28 de Março ocorrerá uma votação final sim-não sobre a Directiva no Parlamento.
Esta votação será a última oportunidade para que a comunidade Wikimedia europeia diga ao Parlamento Europeu que rejeita uma reforma de direitos de autor que facilite excepções à comunidade aberta sem levar em conta o ecossistema da Internet na totalidade.
No estado actual deste processo legislativo, já passamos o momento de propor emendas e negociar. O Parlamento Europeu deve rejeitar esta reforma na sua totalidade.
Com um texto tão polémico, e com muitos eurodeputados já visando a reeleição em Maio, seria prudente rejeitar a proposta tal como está, e continuar trabalhando numa solução com uma nova legislatura.

Ainda não é demasiado tarde para que Europa tenha uma reforma do direito de autor positiva, mas rapidamente passará a ser.
Por este motivo, os nossos afiliados na Europa estão organizando as suas comunidades para que passem à acção. Descobre mais sobre o que estamos fazendo.

Futebol e eleições presidenciais Brasileiras dominam os artigos mais vistos em 2018

Se na Wikipédia em inglês a cultura pop sobressaiu na lista dos artigos mais visualizados, na Wikipédia lusófona a eleição presidencial no Brasil e o futebol, com o campeonato do mundo em destaque, são os tópicos dominantes, por entre as 4,12 mil milhões de visualizações que o projeto teve durante o ano que findou.

Jair Bolsonaro
Crédito: Alan Santos/PR [CC BY 2.0], disponível no Wikimedia Commons.

Jair Bolsonaro foi não só eleito presidente do Brasil nas eleições presidenciais de 2018, como teve o seu artigo no primeiro lugar da lista de mais visualizados. É sintomático que nos 10 mais visualizados estejam Jair Bolsonaro, Fascismo, Ciro Gomes, Lista de presidentes do Brasil e a fechar o top 10, Fernando Haddad com números acima das 1.969.000 visualizações.

As convulsões sociais e políticas no Brasil acabaram por ter um reflexo cristalino na Wikipédia, onde até o artigo de Marielle Franco ultrapassou as 522.000 visualizações, sendo o 180º artigo mais visto.

Este artigo, aliás, é um dos exemplos de como a Wikipédia se tornou um veículo prioritário no disseminar da informação. O artigo foi criado a 16 de março de 2017 e eliminado 3 meses depois, tendo sido restaurado a 15 de março de 2018, na altura do seu assassinato, atingindo imediatamente um pico de cerca de 100.000 visualizações no primeiro dia, totalizando mais de 363.000 visualizações nos primeiros sete dias.

O artigo torna-se também um indicador de como a Internet pode ser fugaz, pois se no mês do assassinato o total de visualizações rondou os 409.000, 4 meses depois, em Julho, obteve somente cerca de 8.000, tendo oscilado entre as 14.000 e as 30.000 visualizações mensais desde então.

Cristiano Ronaldo pode não ter ganho a bola de ouro nem ter sido premiado como o melhor pela FIFA, mas as mais de 2.597.000 visualizações colocaram o seu artigo no 5º lugar dos mais vistos, sendo o primeiro artigo relacionado com Portugal. Em segundo lugar da lista de artigos nacionais ficou o artigo sobre o próprio país, Portugal.

Pedro IV de Portugal (ou Pedro I do Brasil para os brasileiros) é uma figura de proa tanto de Portugal como do Brasil, que claramente não foi ainda esquecido — ficou como o 3º artigo mais lido relacionado com Portugal, com a Língua portuguesa e o artigo dedicado ao Tratado de Tordesilhas a completarem o top 5.

Relativamente aos artigos mais editados, o artigo Joelma Mendes na décima posição, com 937 edições, é o único do top 10 não relacionado com programas televisivos.

Top 10 dos artigos mais visualizados, relacionados com Portugal

  1. Cristiano Ronaldo: 2.597.123 visualizações
  2. Portugal: 1.324.034 visualizações
  3. Pedro I do Brasil: 470.725 visualizações
  4. Língua portuguesa: 469.588 visualizações
  5. Tratado de Tordesilhas: 378.994 visualizações
  6. Corpus Christi: 358.582 visualizações
  7. Lisboa: 327.087 visualizações
  8. Colonização do Brasil: 311.311 visualizações
  9. Descoberta do Brasil: 186.377 visualizações
  10. Sporting Clube de Portugal: 172.393 visualizações

Top 10 dos artigos mais visualizados, relacionados com o Brasil

  1. Jair Bolsonaro: 6.267.566 visualizações
  2. Copa do Mundo FIFA de 2018: 2.942.083 visualizações
  3. Brasil: 2.799.491 visualizações
  4. Ciro Gomes: 2.375.053 visualizações
  5. Lista de presidentes do Brasil: 2.033.376 visualizações
  6. Fernando Haddad: 1.969.564 visualizações
  7. João Amoêdo: 1.948.961 visualizações
  8. Neymar: 1.891.227 visualizações
  9. Luiz Inácio Lula da Silva: 1.555.568 visualizações
  10. RPC (rede de televisão): 1.446.763 visualizações

Top 20 dos artigos mais visualizados

  1. Jair Bolsonaro: 6.267.566 visualizações
  2. Copa do Mundo FIFA: 3.416.524 visualizações
  3. Copa do Mundo FIFA de 2018: 2.942.083 visualizações
  4. Brasil: 2.799.491 visualizações
  5. Cristiano Ronaldo: 2.597.123 visualizações
  6. La casa de papel: 2.543.841 visualizações
  7. Fascismo: 2.497.360 visualizações
  8. Ciro Gomes: 2.375.053 visualizações
  9. Lista de presidentes do Brasil: 2.033.376 visualizações
  10. Fernando Haddad: 1.969.564 visualizações
  11. João Amoêdo: 1.948.961 visualizações
  12. Neymar: 1.891.227 visualizações
  13. Luiz Inácio Lula da Silva: 1.555.568 visualizações
  14. Lali Espósito: 1.550.946 visualizações
  15. Lista de episódios de Naruto Shippuden: 1.491.274 visualizações
  16. Lionel Messi: 1.478.313 visualizações
  17. RPC (rede de televisão): 1.446.763 visualizações
  18. Seleção Brasileira de Futebol: 1.433.959 visualizações
  19. Ditadura militar no Brasil (1964–1985): 1.359.363 visualizações
  20. Estados Unidos: 1.351.233 visualizações

Top 20 dos artigos mais editados

  1. Lista de episódios de Miraculous: As Aventuras de Ladybug: 1.811 edições
  2. Big Brother Brasil 18: 1.543 edições
  3. Temporada do Sport Club Corinthians Paulista de 2018: 1.310 edições
  4. A Fazenda 10: Mais Conectada: 1.286 edições
  5. RuPaul’s Drag Race: All Stars (3.ª temporada): 1.207 edições
  6. Miraculous: As Aventuras de Ladybug (2.ª temporada): 1.197 edições
  7. 2018 na televisão brasileira: 1.184 edições
  8. Recordes da Copa do Mundo FIFA: 1.117 edições
  9. Power Couple (3.ª temporada): 941 edições
  10. Joelma Mendes: 937 edições
  11. RuPaul’s Drag Race (10.ª temporada): 895 edições
  12. Primeira Liga de 2018–19: 886 edições
  13. Lista de episódios de Steven Universe: 750 edições
  14. The Voice Brasil (7.ª temporada): 723 edições
  15. Jair Bolsonaro: 693 edições
  16. Segundo Sol: 660 edições
  17. Malhação: Vidas Brasileiras: 656 edições
  18. Campeonato Brasileiro de Futebol de 2018 – Série B: 651 edições
  19. Campeonato Brasileiro de Futebol de 2018 – Série A: 641 edições
  20. Miss Brasil 2018: 638 edições

Wikimedia Portugal no “Wiki Takes Zamora”

Foi com enorme prazer que a Wikimedia Portugal participou numa das etapas do projeto “Nenhum Município Espanhol sem Fotografia” dos nossos colegas da Wikimedia Espanha.

Este projeto tem o grande objetivo de obter bons registos fotográficos para todos os 8.111 concelhos de Espanha. Desde 2015, quando existiam 2295 concelhos sem fotografias, a Wikimedia Espanha tem organizado dezenas de atividades “Wiki Takes” por toda a Espanha, invadindo os concelhos em falta e fotografando todos os aspetos relevantes do território, como as câmaras municipais, igrejas, escolas, cemitérios, museus mas também as estátuas, jardins, fontes, etc. Graças ao enorme esforço dos voluntários da Wikimedia Espanha atualmente o projeto já está na reta final.

De Portugal dois entusiastas juntaram-se à equipa de 10 voluntários em Manganeses de la Lampreana, pequeno concelho onde se iniciou o “Wiki Takes Zamora”. Durante um dia e meio, nos passados 6 e 7 de Outubro, as equipas do Wiki Takes Zamora percorreram os concelhos da província de Zamora, e recolheram informação fotográfica valiosa.

 

Wiki Takers em Manganeses de la Lampreana

Depois do Wiki Takes Porto e Lisboa, em 2011, ficou a vontade de retomar este tipo de iniciativas em Portugal, aberta a todos os interessados. Caso queiras participar, envia-nos um email para infoAt sign.svgwikimedia.pt

Donna Strickland e a Wikipédia

Donna Strickland em 2013. Créditos: The Optical Society , CC-BY-SA-4.0

Por estes dias têm surgido nos média e nas redes sociais uma série de notícias sobre o caso da biografia de Donna Strickland na Wikipédia, afirmando que a enciclopédia​ nunca reconheceu o mérito de Donna Strickland antes da atribuição do Prémio Nobel. A acusação, mais ou menos implícita ou explícita, é que isto teria sido precisamente por ser mulher, inscrevendo-se num registo de gender gap crónico que afecta o projecto desde a sua criação.

Sobre alguns dos factos apresentados nessas notícias, convém desde logo esclarecer que são, no mínimo, representados de forma incorrecta, quando não mesmo falsa: O artigo foi eliminado uma única vez, em 2014, mas sem qualquer relação com falta de notoriedade, sendo tão somente uma corriqueira eliminação de violação de direitos de autor, já que o conteúdo era uma cópia deste site. Em Março de 2018 um novo esboço foi criado, não sendo autorizada uma primeira tentativa de publicação por o esboço notoriamente descumprir um dos requisitos básicos da enciclopédia para a presença de conteúdo ali. Este primeiro esboço não continha uma única fonte considerada fiável pelos critérios da Wikipédia.

É absolutamente legítima e aconselhável uma séria reflexão sobre o facto da biografia de uma das únicas três mulheres laureadas com um Prémio Nobel da Física apenas ter sido criada na maior e mais popular enciclopédia online após a atribuição do prémio, e de todo o alarido mediático que se gerou. Isto não deve, no entanto, ser confundido com uma recusa activa por parte da Wikipédia em aceitar esse conteúdo. Na verdade, o caso é um bom exemplo de como o desconhecimento das regras da Wikipédia atrasou em mais de quatro anos a presença da biografia de uma mulher obviamente notável nesta enciclopédia. Vejamos:

Conteúdo livre

O terceiro dos cinco pilares pelos quais se rege a Wikipédia prescreve que todo conteúdo dos projectos deve estar disponível sob uma licença livre. Deste modo, a tentativa de criação do artigo em 2014 com conteúdo cujos direitos pertencem à The Optical Society não só violava os termos da enciclopédia, como a lei nacional.

O que fazer nesta situação? Tratando-se de uma fonte fiável, esta pode ser usada, através da adaptação do texto – mas nunca da sua cópia integral – com a respectiva citação, que é colocada no artigo através do botão citar do Editor Visual. Em algumas situações pode acontecer que quem está a editar o artigo é também o detentor dos direitos de autor da fonte fiável que está a usar, ou ter acesso ao detentor desses direitos de autor. Nesse caso deve ser usado o sistema OTRS, mantido por uma equipa de voluntários acreditada pela Wikimedia Foundation, que providencia a certificação necessária para o uso desse conteúdo. estas situações são relativamente raras com relação a texto, sendo bastante mais frequentes no que toca ao uso de imagens.

Fontes Fiáveis

O segundo pilar da Wikipédia advoga o princípio da imparcialidade. Uma vez que ninguém, e muito menos os editores da Wikipédia, têm o dom da omnisciência, esta imparcialidade, ou pelo menos uma aproximação dela, obtém-se através da exigência da publicação de conteúdo verificável, publicado em fonte fiável e sujeita à revisão por pares. No caso do esboço recusado em Março deste ano, as três fontes que foram apresentadas para fundamentar o conteúdo eram: 1) um trabalho publicado pela própria biografada; 2) uma nota biográfica publicada pela universidade trabalha; 3) uma nota publicada por uma organização onde detém uma posição de relevo. Independentemente do mérito da biografada, parece claro que nenhuma destas fontes cumpre o princípio basilar da imparcialidade.

O que fazer nesta situação? O conteúdo a ser publicado deveria ter sido escrito com recurso a fontes fiáveis e independentes, como enciclopédias biográficas publicadas por editoras reputadas, notícias de jornal em que se reconhece o destaque da personalidade, ou artigos científicos escritos por terceiros que lhes façam referência. No caso de existirem prémios, menções honrosas, homenagens e outras evidências claras de notoriedade, estas devem ser colocadas no artigo, com a devida fonte, e mencionadas na introdução, por forma a afastar qualquer dúvida sobre notoriedade.

Gender Gap

A Wikimedia Portugal reconhece a existência de um forte gender gap nos projectos Wikimedia, sobretudo ao nível de quem participa activamente na sua construção, resultando num potencial enviesamento dos conteúdos.  Realizamos regularmente uma série de iniciativas destinadas a combater este desequilíbrio, entre as quais se destaca a maratona global de edição Artes+Feminismos  que se realiza regularmente em Março, por ocasião do Dia Internacional da Mulher. Caso queira colaborar connosco em iniciativas destinadas a combater o gender gap, ou queira partilhar connosco os seus pensamentos e sugestões sobre esse tema, use um dos nossos canais de contacto, a sua participação é muito bem vinda.

Paulo Santos Perneta – Wikimedia Portugal

A sua internet está em perigo. Estás são as razões para se preocupar com a Reforma dos Direitos de Autor na Europa.

Foto de Kain Kalju via Flickr, CC BY 2.0.

Em 2001, o Parlamento Europeu reuniu-se para aprovar regulamentações e criar leis de direitos de autor para a Internet, uma tecnologia que estava apenas se firmando após o boom e a crise das empresas ‘ponto com’. A Wikipédia acabara de nascer e havia 29 milhões de sites. Ninguém poderia imaginar o futuro desse ecossistema em rápido crescimento – e hoje, a internet é ainda mais complexa. Mais de mil milhões de websites, inúmeros aplicativos móveis e milhares de milhões de novos utilizadores. Estamos mais interconectados do que nunca. Somos mais globais do que nunca. Mas 17 anos depois, as leis que protegem este conteúdo e os seus criadores não acompanharam o crescimento exponencial e a evolução da web.

Na próxima semana, o Parlamento Europeu decidirá como as informações on-line serão compartilhadas numa votação que afetará significativamente a forma como interagimos no nosso mundo digital cada vez mais conectado. Estamos nos últimos minutos do que poderia ser a nossa última oportunidade de definir como será a internet no futuro. A próxima onda de regras propostas que serão consideradas pelo Parlamento Europeu permitirá mais inovação e crescimento, ou sufocará a vigorosa web gratuita que permitiu que a criatividade, a inovação e a colaboração prosperassem. Isso é significativo porque os direitos de autor não afetam apenas os livros e a música, mas molda profundamente a forma como as pessoas se comunicam e criam conteúdo na internet nos próximos anos.

É por isso que devemos lembrar o objetivo original desta atualização da lei: criar regras de direitos de autor que funcionem para um melhor acesso a uma Internet aberta, diversificada e de rápida evolução.

O contexto em que os direitos de autor operam mudou completamente. Pense na Wikipédia como exemplo, uma plataforma que, como grande parte da internet hoje, é possível graças a pessoas que são ao mesmo tempo consumidores e criadores. As pessoas leem a Wikipédia, mas também escrevem e editam artigos, tiram fotos para o Wikimedia Commons ou contribuem para outros projetos de conhecimento gratuitos da Wikimédia. O conteúdo na Wikipédia está disponível ao abrigo de uma licença gratuita para qualquer pessoa usar, copiar ou transformar.

Todos os meses, centenas de milhares de voluntários tomam decisões sobre o conteúdo a ser incluído na Wikipédia, sobre o que constitui uma violação de direitos de autor e quando essas decisões precisam ser revistas. Gostamos das coisas desse jeito – permite que sejam pessoas, e não os algoritmos, a tomar decisões sobre quais conhecimentos devem ser apresentado ao resto do mundo.

Alterações na Diretiva da UE sobre Direitos de Autor no Mercado Único Digital podem ter sérias implicações para a Wikipédia e outros sites independentes e sem fins lucrativos como este.

A internet hoje é colaborativa e aberta por natureza. E é por isso que os nossos representantes na UE devem instituir políticas que promovam o livre intercâmbio de informações on-line para todos.

Instamos os representantes na UE a apoiarem reformas que acrescentem proteções críticas para obras de arte, história e cultura de domínio público, e que limitem novos direitos exclusivos a obras já isentas de direitos de autor.

O mundo deveria se preocupar com novas propostas para introduzir um sistema que filtrasse automaticamente a informação antes que esta aparecesse on-line. Por meio de obrigações de filtragem prévia ou maior responsabilidade de utilizadores por aquilo de carregam, as plataformas seriam forçadas a criar sistemas onerosos e muitas vezes tendenciosos para analisar e filtrar automaticamente possíveis violações de direitos de autor nos seus sites. Já sabemos que estes sistemas são historicamente defeituosos e muitas vezes levam a falsos positivos. Por exemplo, considere a experiência de um professor alemão que recebeu repetidamente avisos de violação de direitos de autor ao usar música de domínio público de Beethoven, Bartók e Schubert em vídeos no YouTube.

A internet já criou formas alternativas de gerir estes problemas. Por exemplo, os colaboradores da Wikipédia já fazem de tudo para detetar e remover conteúdo que viola as regras. Este sistema, que é em grande parte impulsionado pelo esforço humano, é muito eficaz na prevenção da violação de direitos de autor.

Grande parte do debate em torno da reforma do direito de autor da UE tem sido dominada pelas relações comerciais entre os grandes detentores de direitos e plataformas de Internet com fins lucrativos. Mas esta pequena minoria não reflete a gama de sites e utilizadores na internet hoje. Os wikipedistas são motivados pela paixão pela informação e pelo sentido de comunidade. Somos totalmente sem fins lucrativos, independentes e impulsionados por voluntários. Instamos os deputados a considerarem as necessidades desta maioria silenciosa online quando conceberem políticas de direitos de autor que funcionem para toda a Internet.

À medida que as alterações ao projeto de uma nova Diretiva de Direitos de Autor são consideradas, instamos o Parlamento Europeu a criar uma estrutura de direitos de autor que reflicta a evolução da forma como as pessoas usam a Internet nos dias de hoje. Devemos nos lembrar do problema original que os decisores políticos tinham de resolver: sincronizar as regras de direitos de autor de acordo com um mundo digital dramaticamente maior e mais complexo e remover as barreiras transnacionais. Devemos permanecer fiéis à visão original da internet – continuar a ser um espaço aberto e acessível para todos.

Para ter mais informação sobre como tomar acção e advogar pela Wikipédia e pela livre troca de informação online, visite: fixcopyright.wikimedia.org

Mensagem de María Sefidari, Presidente do Conselho Diretivo da Fundação Wikimedia

Traduzida para o português por Rui Gabriel Correia

Votação no Parlamento Europeu sobre directiva de direitos de autor

Dia 5 de Julho de 2018, o Plenário do Parlamento Europeu votará se irá continuar com uma proposta de directiva de direitos de autor que, se aprovada, prejudicará significativamente a Internet aberta como a conhecemos.

A directiva em vez de actualizar as leis de direito do autor na Europa e promover a participação de todos os cidadão para a sociedade da informação, ameaça a liberdade online e cria obstáculos para acessar a Web, impondo novas barreiras, filtros e restrições. Se a proposta for aprovada na sua forma actual, poderá ser impossível partilhar um artigo de notícias em redes sociais, or encontrá-la através de um motor de busca; a própria Wikipédia poderá estar em risco.

À proposta já se oposeram firmemente mais de 70 cientistas informáticos, entre os quais o criador da Web, Tim Berners-Lee (ver fonte), 169 académicos  (ver fonte), 145 organizações de direitos humanos, liberdade de imprensa, investigação científica e indústria tecnológica (ver fonte), e a Fundação Wikimedia, a organização sem fins lucrativos que promovo, entre outras, esta enciclopédia livre (ver aqui).

Por estas razões, a comunidade da Wikipédia Italiana, Espanhola, Polaca, Estónia e Letã decidiram obscurecer todas as páginas da enciclopédia. A Wikimedia Portugal, junta-se às nossas congéneres europeias em oposição a esta proposta. Queremos continuar a apoiar uma enciclopédia livre, aberta, colaborativa e com conteúdo verificável. Pedimos a todos os Membros do Parlamento Europeu que votem contra o texto actual, reabram a discussão e reconsiderem as numerosas propostas de associações Wikimedia, começando pela eliminação dos artigos 11 e 13, assim como a extensão da liberdade de panorama  a toda a UE e a protecção do domínio público

https://meta.wikimedia.org/wiki/SaveYourInternet

#1bib1ref 2018- Um bibliotecário, uma referência

Um bibliotecário, uma referência

Imagine um mundo onde cada bibliotecário adiciona mais uma referência à Wikipédia.

 

A Wikipédia é uma das primeiras paragens dos investigadores. Mas podemos melhorar! De 15 de maio a 5 de junho, a Wikipédia está a convidar bibliotecários de todo o mundo para adicionar referências a citações em falta nos artigos da maior enciclopédia do mundo, e, pela primeira vez, os Bibliotecários, arquivistas e gestores de informação Portugueses recebem um apelo directo à participação.

 

Qualquer citação de uma fonte confiável é um benefício para os leitores da Wikipédia em todo o mundo, e adicioná-las é extremamente simples, basta seguir as instruções em https://pt.wikipedia.org/wiki/Wikipédia:1bib1ref 2018, e não se esqueça: quando adicionar uma referência ao artigo, inclua a hashtag #1bib1Ref no resumo de edição para que possamos acompanhar a participação.

 

Sobre o #1bib1Ref

O #1bib1Ref é um evento promovido pela Iberocoop, uma iniciativa de cooperação Ibero-Americana de capítulos locais da Wikimédia. O evento segue o modelo global do #1lib1ref ( https://meta.wikimedia.org/wiki/The_Wikipedia_Library/1Lib1Ref ). Em Portugal, é promovido pela Wikimedia Portugal, uma associação sem fins lucrativos, aprovada pela Wikimedia Foundation como representação local (chapter) em Portugal, que tem por objectivos contribuir para a disseminação generalizada do saber, e promover e apoiar os projectos da Wikimedia Foundation, como a Wikipédia, com ênfase para os projectos em língua portuguesa.

 

/groups/WikiLibrary/                  /WikimediaPortugal

 

Arte e Feminismo | Wikipedia Edit-a-Thon | Porto 2017

Depois do sucesso do Arte e Feminismo | Wikipedia Edit-a-Thon | Lisboa 2015, este ano o Porto recebe pela primeira vez o evento satélite do evento internacional Art+Feminism, o Arte e Feminismo | Wikipedia Edit-a-Thon | Porto 2017, que terá lugar nos dias 11 e 12 de Março, no Maus Hábitos – Espaço de Intervenção Cultural. Serão dois dias dedicados à criação, expansão e melhoria de artigos sobre arte e feminismo, com o intuito de aumentar o número e a qualidade de artigos relacionados com a arte e o feminismo, assim como o número de editoras a contribuir activamente nos vários projectos.

Mais informações e registo:

Registo (até 5 de março) : https://goo.gl/forms/N7NieDVw6ypMwOXi1

Facebook: https://www.facebook.com/artefeminismo.wikipedia.pt

Wikipédia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:Edit-a-thon/Atividades_em_portugu%C3%AAs/Artefeminismo/Porto_2017

Wikimédia lança aplicativo sobre medicina

 

 

Foi lançada no dia 24 de setembro a Wikipédia Médica, uma aplicação para dispositivos móveis, que permite o acesso sem rede a um conjunto de artigos de medicina.

A versão em português contou com a colaboração de editores brasileiros e portugueses, com grande esforço para a melhoria de mais de 200 artigos, liderado por João Magalhães, membro da Wikimédia Portugal, da Fundação Wiki Project Med e um dos principais colaboradores da Wikipédia lusófona na área de saúde.

Esta iniciativa é realizada em conjunto entre a Wikimédia Suíça e a Fundação Wiki Project Med, organização que visa promover a difusão do conhecimento científico sobre medicina em projetos Wikimédia, em especial na Wikipédia anglófona, estando a alargar o seu raio de ação a outros idiomas.

A aplicação está disponível para a plataforma Android em aqui.